Mar de Dirac

Fazer Ciência

Equação de van der Waals

De acordo com lei dos gases ideais as moléculas de um gás são consideradas como sendo partículas pontuais (o volume de cada molécula é zero) e que colidem entre si de forma perfeitamente elástica (toda a energia cinética é transferida após a colisão entre as moléculas). A referida lei descreve-se da seguinte forma

PV = nRT

Identifica-se o significado de cada parâmetro/variável:

P – pressão do gás;

V – volume do gás;

n – número de moles (1 mol = 6.022\times 10^{23});

R – constante dos gases ideais (8.314 J.K^{-1}.mol^{-1})

T – temperatura do gás.

A relação mencionada permite efetuar uma previsão do comportamento de um gás ideal se este se encontrar suficientemente diluído e a uma temperatura próxima da ambiente (condições PTN) com um desvio de \pm 5 %.

No entanto, quando a temperatura se aproxima do zero absoluto ou a pressão se torna demasiado elevada a lei dos gases ideais deixa de ser válida e torna-se necessário introduzir algumas correções. Em 1873, Johannes van der Waals aperfeiçoou a equação dos gases ideais ao incluir o volume total das moléculas e considerar que as suas interações tem um efeito não desprezável. A versão corrigida é a seguinte:

\left [p+a\left (\frac{n}{V} \right )^{2} \right ]\left ( V-nb \right )=nRT (1)

sendo as novas constantes, a e b, dependentes do gás considerado. Conclui-se para já, que a equação de van der Waals conduz-nos inevitavelmente a uma perda de generalidade uma vez que cada gás possuí constantes a e b diferentes.

. Parâmetros a e b

Uma partícula que se encontre numa zona interior do gás (longe das paredes do recipiente que o contém) irá estar sujeita a um conjunto de forças de atração (forças de coesão) que, em média, irão anular-se mutuamente. O mesmo não se verifica para uma partícula localizada junto às paredes do recipiente.

Camadas

Conforme se ilustra na imagem, na camada C_{1} a partícula está sujeita a forças dirigidas para o interior do recipiente resultando numa pressão inferior nas paredes. Assim, a pressão P do gás deverá ser igual à pressão ideal P_{i} subtraída de um termo de pressão s devido às forças que atraem a partícula para o interior do recipiente:

P=P_{i}-s

O termo s deve ser proporcional ao número de partículas por unidade de volume,\frac{n}{V}, em ambas as camadas C_{1}C_{2}:

s\propto \left (\frac{n}{V} \right )^{2}=a\left (\frac{n}{v} \right )^{2}

Substituindo esta relação na expressão de P fica que

P=P_{i}-a\left (\frac{n}{V} \right )^{^{2}}\Leftrightarrow -P_{i}=-P-a\left (\frac{n}{V} \right )^{2}\Leftrightarrow P_{i}=P+a\left (\frac{n}{V} \right )^{2}

Como assumido anteriormente, as partículas de um gás possuem volume diferente de zero. Irá também assumir-se que as partículas são esferas rígidas. O volume total, V, do gás será igual ao volume disponível (não ocupado por partículas) somado a um volume excluído resultante do total dos volumes de cada partícula: V=V_{d}+v_{p}. O parâmetro v_{p} será igual ao número de moles multiplicado pelo volume excluído por mole de moléculas, b:

v_{p}=nb

Veja-se agora como deduzir a expressão de b.

Qualquer partícula do gás pode aproximar-se de outra partícula, no máximo, a uma distância igual ao dobro dos seus raios.

Esfera_2r

O volume excluído durante a colisão de duas partículas será igual a

b^{'}=\frac{4}{3}\pi d^{3}=\frac{4}{3}\pi \left ( 2r \right )^{3}=\frac{4}{3}\pi 8r^{3}=8\left (\frac{4}{3}\pi r^{3} \right ).

Dividindo este volume pelas duas partículas e obtém-se o volume excluído por partícula:

b=\frac{b^{'}}{2}=4\left (\frac{4}{3}\pi r^{3} \right )

Obteve-se então as correções para a pressão e volume sendo estas iguais, respetivamente, a P_{i}=P+a\left (\frac{n}{V} \right )^{2}v_{p}=nb. Substituindo em PV na equação dos gases ideais resulta a equação (1) de van der Waals.

Anúncios
%d bloggers like this: